Dietas Low Carb e High Fat: Constrastes na Mesa – PART II

Olá Pessoal, tudo bem por ai? Estamos na reta final do Desafio 30 Dias e, na primeira semana, falamos sobre os benefícios e riscos da dieta Low Carb, lembram? (Veja aqui!). Hoje, o assunto é sobre o outro lado da moeda, que traz um pouco mais de detalhamento para os fãs e curiosos da dieta HIGH FAT.

HIGH FAT

A Hight Fat precisa, como qualquer outra mudança que interfere o organismo e a funcionalidade dos órgãos, de acompanhamento e supervisão constante de um profissional. Explico: Esse tipo de dieta requer uma mudança mais radical nos hábitos alimentares, uma vez que é necessário eliminar vários alimentos da sua rotina, que possam interferir no processo, além de toda a gordura ser proveniente somente de alimentos naturais, o que é bem difícil para manter a linha na correria do dia a dia. 

    salmao-rico-em-proteinas-e-omega-3

BENEFÍCIOS

Segundo especialistas, um dos pontos fortes da High Fat é que você come quando tem realmente fome e elimina tudo o que for processado. Isso ajuda a pessoa a sentir-se saciada com mais facilidade, por mais que no início pareça morrer de fome, além de diminuir ou eliminar o consumo de alimentos industrializados.

ALIMENTOS

Carnes brancas têm menos gordura e, por isso, são ótimas opções. Abacate, coco, nozes, macadâmia, azeitona, manteiga, nata e queijo branco também são boas alternativas. A gordura, que deve vir de carnes vermelhas, peixes, azeite de oliva, queijos, oleaginosas e algumas frutas como abacate e coco, saciam muito mais do que carboidratos. Fritura, margarina e óleos de milho, soja e canela, porém, estão na lista do que evitar durante a dieta. O consumo de frutas também deve ser moderado e controlado.

ingredientes-da-dieta-paleo

Comer-Mais-Alimentos-Ricos-em-Proteínas

ovos-no-café-da-manhã

DURAÇÃO DA DIETA

Só um especialista pode dizer qual a melhor maneira para cada um seguir a Low Carb e High Fat. depende ds necessidade de perda de peso, biotipo e condições fisiológicas.

CONTRAINDICACÕES

Pessoas que sofrem de insuficiência renal, cardíaca, hepática ou diabetes não devem seguir a dieta High Fat. Até mesmo atletas e praticantes de atividades físicas devem consultar um especialista para que a redução de carboidrato e aumento de proteínas seja adequada seu biotipo.

RISCOS

Diminuir demais ou eliminar a quantidade de carboidratos e aumentar o consumo das gorduras saturadas (consideradas gorduras ruins), pode desencadear efeitos colaterais ao organismo. O alto nível de proteína pode aumentar o stress sobre os rins, enquanto a ingestão de gorduras saturadas e/ou totais contribui para o aparecimento de doenças cardíacas.  A restrição do carboidrato a longo prazo pode provocar um “stress” no organismo, o que talvez cause perda de massas óssea e muscular. Fadiga, dores de cabeça, tontura, indisposição, irritação, entre outros sintomas também estão na lista de efeitos colaterais da High Fat. Para quem pratica exercícios físicos com bastante intensidade é preciso tomar cuidado. A dieta pode prejudicar o rendimento esportivo e até contribuir para problemas de saúde, como a hipoglicemia. 

POR QUE ADERIR A DIETA HIGH FAT?

Com o devido acompanhamento médico, a dieta High Fat é uma boa opção para corrigir distúrbios metabólicos, como por exemplo a resistência à insulina. Quanto mais carboidratos de absorção rápida consumimos, mais insulina nosso corpo libera. Se esse comportamento se repete constantemente, o hormônio passa a ter dificuldade de fazer o seu trabalho e por isso acontece o ganho de peso. 

***

É preciso mudar de hábito, porém com consciência e precaução. Espero que vocês tenham gostado das explicações e das resenhas sobre as dietas Low Carb e High Fat e tenham aprendido um pouco mais sobre o assunto! 😉 Para saber mais detalhes, deixo aqui embaixo os links de pesquisa. Beijos e até a próxima!


Fontes: MinhaVida, BoaForma, DonnaSaudeIdeal

Imagens: Reprodução.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *